ANÁLISE ECONÔMICA DE SISTEMAS DE PLANTIO MECANIZADO DE CANA-DE-AÇÚCAR NA REGIÃO DE JAÚ-SP

  • Paulo Fernando do Nascimento Afonso Professor universitário Faculdades Integradas de Jaú
  • Maura Seiko Tsutsui Esperancini Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual Paulista (FCA/UNESP)
  • Glauber José de Castro Gava Atualmente é pesquisador científico nível VI da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios - APTA - Unidade de Pesquisa de Jaú órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA/SP) (áreas de Fertilidade do Solo, Irrigação e Fisiologia Vegetal)
  • Wellington Gustavo Bendinelli Faculdade de Ciências Agronômicas - FCA, Universidade Estadual "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP. Botucatu

Resumo

Nos últimos anos surgiram novas tecnologias de propagação de mudas da cana-de-açúcar que demandam diferentes operações de plantio, como o sistema de mudas pré-brotadas. A adoção do sistema de mudas pré-brotadas depende dos seus custos em relação aos dos sistemas atualmente adotados. O sistema de mudas pré-brotadas permite a redução do consumo de mudas, que cai de 20 t ha-1 no plantio mecanizado para 2 t ha-1, mas implica em maiores investimentos em infraestrutura e organização da produção das mudas. Os sistemas de plantio apresentam diferentes custos para a formação das mudas e diferentes custos operacionais de plantio em área comercial. O objetivo deste trabalho foi comparar o custo de três sistemas de plantio, desde a produção da muda até o plantio comercial. O estudo foi conduzido na Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento (UPD) de Jaú/SP, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) Pólo Centro-Oeste. O levantamento de dados foi feito a partir de diversas fontes para identificar os coeficientes técnicos de cada sistema, desde a obtenção da muda até a operação de plantio. Os preços dos insumos e serviços utilizados para estimar os custos dos viveiros e das operações de plantio tiveram como base o mês de julho de 2016. Comparou-se o custo de formação de viveiros e o custo da operação de plantio no sistema mecanizado (com plantadora ou distribuidora) em área comercial com o custo de formação de mudas pré-brotadas no viveiro matriz, casa de vegetação e custo operacional de plantio de mudas pré-brotadas (com máquina transplantadora). Os resultados mostraram que o sistema de plantio de mudas pré-brotadas apresentou o maior custo, com valor de R$ 8.935,0 ha-1 comparado aos sistemas de plantio mecanizado com plantadora, R$ 2.934,27 ha-1 e mecanizado com distribuidora, R$ 3.185,67 ha-1. Esses resultados são válidos em regiões onde o regime hídrico é adequado, pois não foram considerados possíveis custos com irrigação das mudas.   

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Doutor em Agronomia (Energia na Agricultura), FCA / UNESP - Campus Botucatu, professor universitário nas disciplinas de Economia, Métodos e Técnicas de Pesquisa, Trabalho de Conclusão de Curso e Inovação para os cursos de Administração, Ciências Contábeis e Comunicação Social. Professor do curso de Pós Graduação em Direito, Contabilidade e Gestão nas disciplinas de economia e agronegócio e do MBA em Gestão Financeira e Controladoria na disciplina de metodologia científica das Faculdades Integradas de Jaú. Possui pós-graduação em Agronegócios - ESALQ / USP, Agroenergia - ESALQ / USP e em Auditoria, Controladoria e Finanças pelas Faculdades Integradas de Bauru - FIB; graduado em Ciências Econômicas pela Instituição Toledo de Ensino de Bauru - ITE. Consultor em Gestão e Finanças. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Matemática Financeira, Análise Financeira, Gestão de Custos, Microeconomia, Macroeconomia, Economia Agrícola, Análise e Viabilidade de Projetos, Estatística e Administração Rural. Foi bolsita pela CAPES.
##submission.authorWithAffiliation##
Possui graduação em Engenharia Agronômica (1986) pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (ESALQ/USP), mestrado em Economia Agrária (1991) pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (ESALQ/USP), doutorado em Economia, Área de Concentração Teoria Econômica (1999) pela Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA/USP), e livre docência (2006) pela Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual Paulista (FCA/UNESP). Atualmente é Professor Adjunto-III da Faculdade de Ciências Agronômicas da Universidade Estadual Paulista. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia Agrária, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento rural, e análise econômica de sistemas produtivos agrícolas.
##submission.authorWithAffiliation##
Possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Viçosa (1995), mestrado em Ciências pelo Centro de Energia Nuclear da Agricultura (1999) e doutorado em Ciências pelo Centro de Energia Nuclear da Agricultura (2003). Atualmente é pesquisador científico nível VI da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios - APTA - Unidade de Pesquisa de Jaú órgão da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA/SP) (áreas de Fertilidade do Solo, Irrigação e Fisiologia Vegetal). Professor credenciado junto ao Programa de Pós-Graduação em Irrigação e Drenagem da UNESP/Botucatu.
##submission.authorWithAffiliation##
Doutorando em Agronomia (Energia na Agricultura) pela FCA/Unesp. Engenheiro Agrônomo pela Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP em 2011. Mestrado em Agronomia (Energia na Agricultura) pela FCA/Unesp em 2014. Atua principalmente nos seguintes temas: Agribusiness, Mercados futuros agropecuários, Organização de mercados agroindustriais e Comercialização agrícola.
Publicado
2018-12-13
Seção
Planejamento e Desenvolvimento Rural Sustentável