COMPORTAMENTO DE CODORNAS JAPONESAS SUBMETIDAS A DIFERENTES TEMPERATURAS

Jaqueline de Oliveira Castro, Tadayuki Yanangi Junior, Patrícia Ferreira Ponciano Ferraz, Édison José Fassani

Resumo


A coturnicultura tem crescido de forma considerável nos últimos anos no Brasil, deixando de ser uma atividade voltada para a subsistência e tornando-se uma atividade altamente tecnificada e rentável. Apesar do crescimento, os coturnicultores ainda encontram barreiras que dificultam a maximização da produção. Dentre as barreiras pode-se citar o ambiente de produção, que exerce influência direta sobre o comportamento das codornas, podendo este ser usado na avaliação do seu bem-estar. Assim, o presente estudo teve como objetivo avaliar o comportamento de codornas japonesas em postura submetidas a diferentes temperaturas do ar, por meio do método agrupamento hierárquico aglomerativo. As codornas foram submetidas às temperaturas de 20°C, 22°C, 24°C, 26°C, 28°C, 30°C e 32°C. Os comportamentos avaliados foram: presença no comedouro, presença no bebedouro, comportamento caracterizando estresse, sendo eles bicando, montando sobre outras codornas, repetidos movimentos com a cabeça e correndo dentro da gaiola, e comportamento de ócio, em que as codornas permaneciam paradas. Os comportamentos foram quantificados de acordo com a frequência de ocorrência em porcentagem. Os resultados foram avaliados por meio do método agrupamento hierárquico aglomerativo e coeficiente de correlação cofenético. Quando submetidos a temperaturas de 20°C as codornas apresentaram comportamento mais distinto dentre as temperaturas avaliadas. A frequência de ocorrência dos comportamentos de estresse e presença no bebedouro foi similar. O comportamento estresse apresentou maior frequência de ocorrência nas temperaturas mais baixas. O comportamento de ócio foi o de maior frequência em todas as temperaturas. O coeficiente de correlação cofenético para os comportamentos agrupados dentro das temperaturas foi 0,85 e para as temperaturas dentro dos comportamentos isolados 0,96. O intervalo de conforto térmico, obtido com base na análise comportamental de codornas japonesas em fase de postura, foi de 22°C a 24°C.  As codornas japonesas apresentaram reações condizentes com o estresse térmico, quando foram submetidas à temperatura ambiente igual a 20°C.  O método de Agrupamento Hierárquico Aglomerativo mostrou-se uma ferramenta eficaz na avaliação comportamental na área de produção animal.

PALAVRAS-CHAVE: Agrupamento hierárquico aglomerativo, avaliação comportamental, coturnicultura

 

JAPANESE LAYING QUAILS BEHAVIOR UNDER DIFFERENT TEMPERATURES 

ABSTRACT: The quail production has grown considerably in recent years in Brazil, from being a subsistence activity and becoming a technological and profitable activity. Despite the growth, farmers still encounter barriers that make it difficult to maximize production. Among the barriers it can be mentioned, the environment production, which exerts a direct influence on the quails behavior, that can be used to evaluate their well-being. Thus, the present study aimed to evaluate the behavior of Japanese laying quails submitted to different air dry-bulb temperatures by the clustering method. The quails were subjected to temperatures of 20°C, 22°C, 24°C, 26°C, 28°C 30°C, and 32°C. The assessed behaviors were: presence in the feeder, presence in the drinker, behavior characterizing stress, they were pecking, riding on other quail, repeated movements with the head and running inside the cage, and idle behavior, in which quails remained standing. The results were evaluated by the clustering method and cophenetic correlation coefficient.  At 20°C, quails presented more distinct behavior among the evaluated temperatures. The frequency of occurrence of stress behaviors and presence at the drinker were similar. The higher frequency of occurrence of stress behavior was in lower temperatures. The leisure behavior was the highest frequency at all air temperatures when compared to other behaviors. The cophenetic correlation coefficient for behaviors within the grouped temperatures was 0.85 and the temperature within the isolated behaviors was 0.96.  The thermal comfort interval, based on behavioral analysis of Japanese laying quails, was from 22 ° C to 24 ° C. Japanese quails presented reactions consistent with thermal stress at 20 ° C. The clustering method showed to be an effective tool in the behavioral evaluation in the area of animal production.

KEYWORDS: Clustering method, behavioral evaluation, quail production. 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17224/EnergAgric.2017v32n2p%25p